segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Espiritualidade

Ontem, 26 de Agosto, marquei meu aniversário de número 23. Um número, assim como qualquer outro, interessante. Senti a necessidade de escrever; não sobre a minha caminhada de 23 anos, mas, sobre o que desejaria contar para meu espelho hoje, o que tem gritado alto quando deito a cabeça no travesseiro e fico em silêncio. Bem, o que tem gritado é uma sensação de mudança, de santa crise, de benditas dúvidas - Graças à Deus...

Aprendi uma vez que entramos em crise uma única vez: quando nascemos. O problema é que, depois de "entrados", nunca mais saímos dela - pelo menos enquanto estivermos vivos. Procurei entregar um nome para essa crise, tentei descobrir um som que correspondesse ao que sentimos quando nos damos conta que o ar está entrando sem pedir permissão para os pulmões que o expulsam sem medo de deixá-lo magoado. Vida seria uma boa palavra, mas, tem perdido a graça por causa do excesso de uso. Depressão não tem feito e ainda não faz parte do meu vocabulário. Na procura pela palavra perfeita, o mais próximo desse som foi a sequência de caracteres unidos que soam assim: "espiritualidade".

Palavras que terminam com o sufixo "dade" significam o jeito de ser de alguma outra palavra. "Mortalidade", por exemplo, é o jeito de ser mortal. "Habilidade", o jeito de ser hábil. Espiritualidade seria o jeito de ser espiritual. Não que eu acredite que exista "espírito", uma entidade à parte que habita algum lugar em alguém. Não, creio que "espírito" seja uma palavra linda que utilizamos para dar esperança no que podemos nos tornar, no sonho que podemos ter. Palavras lindas, como "espírito, servem para criarmos uma crise em nós mesmos, servem para nos fazer nascer, para nos empurrar para o mundo, não desistir de viver alguma coisa que não faça sentido. Jeito de ser espiritual, "espiritualidade", é o jeito de renovar a vida, restaurar as esperanças, ressuscitar o desejo por uma paixão, dar sentido para a palavra "amor".

Como um bom cristão, ouço de Jesus o que é espírito: "O que nasce da carne é carne, mas o que nasce do Espírito é espírito. Não se surpreenda pelo fato de eu ter dito: É necessário que vocês nasçam de novo. O vento sopra onde quer. Você o escuta, mas não pode dizer de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com todos os nascidos do Espírito". O vento que refaz o nascimento, o jeito de renovar algum sentido para a vida, a respiração que tenta trazer de volta a esperança; isso é exercer da espiritualidade. Porque fazemos isso? Creio que nesse momento é que entendemos um pouco do que tentamos dizer com o termo "amor"; fazemos por nada. Que diferença fará ao mundo renovar meu sentido para a vida? Que diferença fará para qualquer sistema de interpretação da realidade minha escolha? O que de melhor acontecerá no universo se uma massa qualquer de material biológico com uma organização nervosa que possibilita uma tal de "consciência" cria esperança? Nenhuma, nada. Porque fazemos? Por uma escolha. Escolha com sentido lógico-formal? Estruturado? Funcional? Não. Escolha por nada. Escolha por amor...

É nessa hora que o jeito de ser espírito faz sentido. Amor? Outra palavra igual à espírito ou espiritualidade: um som que nos coloca em crise. É tempo de crise, é tempo de espiritualidade. É tempo de exercermos nosso sopro de esperança, renovar o vento e os ares, arejar a casa fechada a muito tempo. Casa fechada junta pó e sujeira; precisamos abrir as nossas para o vento levar esse mofo embora. Esperemos que nossos irmãos ao ouvirem as janelas e as portas se abrindo, resolvam abrir as de suas casas também. Que o vento que sopra em nossa rua percorra todos os nossos corredores e salas. Espero que a crise atinja a todos nós. Espero...

Espero que alguma metáfora tenha feito sentido. Se fez, espero que tenha despertado teu jeito de ser espírito...


Dedico à todos que tem me acompanhado, mesmo que olhando de longe, em minha caminhada. É graças aos olhos, cumprimentos, sorrisos e suspiros de vocês que redescubro a beleza de assistir o nascer do Sol de dentro de um vagão de trem todos os dias pelas manhãs...


Gratis i Kristus

Um comentário:

  1. Olá , passei pela net encontrei o seu blog e o achei muito bom, li algumas coisas folhe-ei algumas postagens, gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, e espero que continue se esforçando para sempre fazer o seu melhor, quando encontro bons blogs sempre fico mais um pouco meu nome é: António Batalha. Como sou um homem de Deus deixo-lhe a minha bênção. E que haja muita felicidade e saude em sua vida e em toda a sua casa.
    PS. Se desejar seguir o meu humilde blog, Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir.

    ResponderExcluir